Loading...

A clínica

Há 15 anos, o Centro Vascular investe no aprimoramento de técnicas cirúrgicas e em novas tecnologias para o tratamento de varizes, rejuvenescimento facial, corporal e emagrecimento. É pioneira no uso do laser e de equipamentos que permitem diagnósticos mais precisos e procedimentos mais eficazes.



• Graduado em Medicina em 1996 pela Faculdade de Medicina da Santa Casa – ES
• Residência médica em
Cirurgia Geral – DF
• Residência médica em
Angiologia e Cirurgia Vascular – RJ
• Pós-graduação em Ultrassonografia
Cardiovascular – RP
• Pós-graduação em
Medicina Estética – RJ
• Pós-graduação em Nutrologia – SP
• Membro da Sociedade
Brasileira de Laser

Dr. Relton Alves de Oliveira
CRM 9036 | RQE 4176



• Neurocirurgião e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Neurocirurgia (SBN)
• Especialista em Coluna e Membro Titular da Sociedade Brasileira de Coluna. RQE 4804 (registro no CREMEGO)
• Especialização em Dor pela Universidade de São Paulo – Faculdade de Medicina (HC-USP) e Sociedade Brasileira para o Estudo da Dor desde 2001. RQE 9745
• Pós-graduado em Medicina Regenerativa pela Extemcamp - Unicamp e pela American Board of Regenerativ Medicine
• Medicina Funcional e Integrativa.

Dr. Nivaldo Teles Evangelista
CRM GO 9096 | RQE 4804



• Graduada em Medicina pelo Instituto Presidente Antônio Carlos – ITPAC
• Residência em Clínica Médica pela UniEVANGELICA
• Residência em Cardiologia pela Universidade de Brasília - UNB

Dra Alessandra de Souza Peres
CRM 15266 | RQE 12276



• Graduada em Enfermagem pela Universidade Católica de Goiás – Goiânia
• Pós-graduanda em Enfermagem do Trabalho pela UniEVANGÉLICA – Anápolis
• Pós-graduada em Acupuntura pela Faculdade Einstein (Facei) – Associação Brasileira de Acupuntura (ABA) - Goiânia

Gizelha Alves de Oliveira Souza



Especialidades

Tratamentos

Convênios

Lista completa de Convênios

• ACIA
• Affego
• Amil
• ASSEFAZ
• Caeme
• Caesan
• Capesesp (Capesaúde)
• Cassi
• CDL
• Celgmed
• COOTRAME
• Funerárias de Anápolis
• Gama Saúde
• Geap
• Ipasgo
• MAPFRE
• Postal Saúde (Correios)
• Proasa
• Samedh
• SAMP
• Saúde Caixa
• Saúde Itaú
• SulAmérica
• Unimed
• Vitallis

Dúvidas Frequentes

O que são varizes de membros inferiores?
Varizes de membros inferiores são veias dilatadas, tortuosas e incompetentes situadas na porção mais superficial das coxas e pernas, isto é, logo abaixo da pele. O termo incompetente significa que a veia é incapaz de fazer com que o sangue flua somente na direção do coração. Assim, o sangue fica congestionado nestas veias, tornando-as mais volumosas e por isso mais visíveis.
Quais são as causas?
Dividimos as varizes em duas categorias, as primárias e as secundárias. As primárias são decorrentes da genética e da hereditariedade, enquanto que as secundárias ocorrem devido a alguma outra doença ou condição médica, como por exemplo uma trombose venosa prévia ou uma fístula arteriovenosa que é uma comunicação anormal entre as artérias e veias.
Usar salto alto leva ao aparecimento de varizes?
É um conceito ainda controverso e não confirmado. Sabe-se que a musculatura da panturrilha fica subutilizada quando se usa saltos muitos altos, e que isto supostamente prejudica o retorno do sangue para o coração. No entanto, ainda não há provas definitivas da associação entre varizes e uso de salto alto.
Ouvi dizer que não adianta operar das varizes, pois elas voltam. É verdade?
Quando um médico opera suas varizes, ele remove apenas as veias doentes. Porém, ao longo de muitos anos, as veias que eram sadias na época da primeira cirurgia podem tornar-se varicosas. Assim as varizes retiradas não "voltam". O que pode voltar é a doença em si. Cirurgias bem planejadas e realizadas com as técnicas corretas costumam ser de resultado duradouro e trazer satisfação aos pacientes por muitos anos.
Varizes podem levar ao aparecimento de trombose?
Sim. Varizes em seu estágio intermediário e avançado são fatores de risco para a formação de coágulos nas veias das pernas, a chamada "trombose venosa superficial". Por isso, ao perceber novas varizes é importante procurar um especialista para saber se o caso pode ter mais complicações.
Quais são as complicações das varizes?
Dermatite ocre: É uma inflamação crônica da pele, associada a hiperpigmentação (manchas escurecidas) nas pernas, tornozelos e pés. Além de eventualmente provocar coceiras, traz um aspecto estético muito indesejável. Flebites: São processos inflamatórios nas veias com varizes, gerando trombos (coágulos) em seu interior. É um quadro bastante doloroso e que costuma deixar sequelas, tais como manchas e dores. Ulceras varicosas: São feridas nas pernas e tornozelos provocadas pela congestão do sangue nesta região. Tais úlceras aparecem nos estágios mais avançados da doença, e são de difícil cicatrização. Além disto provocam um impacto muito negativo na qualidade de vida dos pacientes, podendo impedi-los até mesmo de trabalhar.
Antes de definir qual o melhor tratamento para varizes é necessário algum exame?
Sim. É fundamental o estudo completo das varizes, não só as externas, aparentes a olho nu, como as internas. Para tanto, existe um ultrassom específico para avaliar a circulação, o ecoDoppler, que serve também para pesquisar se a paciente tem trombose. Outro exame muito útil é a fotopletismografia, que também avalia a função das veias.
Quais os tipos de tratamento dos vasinhos? É doloroso?
Atualmente o melhor tratamento é o método CLACS, uma combinação da escleroterapia convencional (com injeção de um líquido) com o Laser transdérmico ND YAG 1064, ou seja, aproveita-se o melhor de cada técnica para cada tipo de vasinho. O emprego da tecnologia de resfriamento de pele “Air Colling System” promove uma espécie de analgesia amenizando a sensação dolorosa do Laser e das agulhinhas.
Existe cirurgia minimamente invasiva (menos agressiva) para varizes?
Sim. A cirurgia menos agressiva, que proporciona uma recuperação pós-operatória mais rápida, é a aquela em que se emprega a tecnologia do Laser. Neste caso a veia é tratada por “dentro”, o que resulta menos cortes, menos hematomas e menor agressão às estruturas ao redor das veias.
Varizes podem levar ao aparecimento de trombose?
Sim. Varizes em seu estágio intermediário e avançado são fatores de risco para a formação de coágulos nas veias das pernas, a chamada "trombose venosa superficial". Por isso, ao perceber novas varizes é importante procurar um especialista para saber se o caso pode ter mais complicações.
Existe tratamento de varizes sem cirurgia?
Sim. Aqueles que não querem ou não podem operar, bem como quando existe uma ferida crônica, ou ainda quem já fez mais de uma cirurgia de varizes, são os principais beneficiados com a técnica de Espuma densa guiada por ultrassom. É uma técnica desenvolvida e amplamente utilizada na França, onde a espuma provoca o “secamento” de varizes calibrosas. Possui ainda a vantagem de não precisar de anestesia, repouso, cortes e pontos voltando às suas atividades normais no mesmo dia do procedimento.
O tratamento com espuma necessita repouso?
Não, no tratamento com Espuma o repouso está proibido! Tem que andar, caminhar e se movimentar normalmente, pois isso ajuda a não ter intercorrências e a ter um bom resultado no tratamento.
O tratamento com espuma dói?
O medicamento utilizado no tratamento das varizes com espuma tem efeito anestésico. Portanto a aplicação de espuma não dói.
Para quem é indicado o tratamento com o método de espuma?
O tratamento das varizes com espuma é uma técnica não cirúrgica, ou seja, sem cortes, anestesia ou pontos, feito mediante a aplicação da espuma. Este tratamento é indicado principalmente para pessoas com risco aumentado como os idosos, pessoas com sobrepeso e pacientes que apresentam complicações que dificultam o acesso cirúrgico nos membros inferiores, como a presença de edemas, eczemas, fibroses e feridas nas pernas. O Dr. Relton salienta que essa técnica deve ser realizada somente por um médico vascular experiente no tratamento com a técnica da espuma.
Veias tratadas com espuma causam manchas na pele?
O tratamento das varizes com espuma é uma técnica não cirúrgica, ou seja, sem cortes, anestesia ou pontos, feito mediante a aplicação da espuma. Este tratamento é indicado principalmente para pessoas com risco aumentado como os idosos, pessoas com sobrepeso e pacientes que apresentam complicações que dificultam o acesso cirúrgico nos membros inferiores, como a presença de edemas, eczemas, fibroses e feridas nas pernas. O Dr. Relton salienta que essa técnica deve ser realizada somente por um médico vascular experiente no tratamento com a técnica da espuma.

Instagram: @centrovascular